Esses dias

Dei de sair com certa pessoa que encontrei por aí. A princípio nos demos muito bem, mas tudo degringola com o tempo. Por exemplo, meu nariz sempre foi muito sensível e, embora não tivesse notado no começo (talvez porque eu não estivesse em plenas condições), o hálito da criatura é de Leda Nagle depois de … Sigue leyendo Esses dias

Anuncio publicitario

Há noite

Ling chi. Tortura. Menos que humano. Parasita. Se arrasta, se espreme entre a carne do hospedeiro. Frivolidade, ressentimento, vontade. Dai-me o cantar, o dançar, o maquiar, o sonhar e o fazer sonhar. Quero ferir alguém. Vou ferir. Ling chi. Barata, verme. Sempre a dama de honra, nunca a noiva. Por que não brilhas, puta? Por … Sigue leyendo Há noite

Veve-se

Contava uma professora minha de português que certo dia, viajando pelo interior, parou num bar de beira de estrada distante muitos quilômetros de qualquer outra edificação humana. Perguntou ao comerciante se não era incômodo aquele apartamento da civilização. Diz que o homem deu de ombros e disse, filosoficamente: "Veve-se". Que safira bruta com que se … Sigue leyendo Veve-se

O grandioso projeto 12, 12, 12, 12

Ando consideravelmente ansioso com o ano novo. Sim, nem bem dezembro é, já fui informado... mas! Sigo ansioso. Assim sendo, comecei as minhas confabulações. 2022 tem tudo para ser ou excelente ou péssimo, e meus planos precisam ser, ao mesmo tempo, infalíveis e inefáveis. Nesse mini-Grande Salto Adiante, vou fazer 5 Anos em 1. Sim, … Sigue leyendo O grandioso projeto 12, 12, 12, 12

Blogar é preciso, viver não é preciso

Eu sei que o Fernando Pessoa provavelmente se referia à precisão, mas vou tomar a liberdade de usar como se se referisse à necessidade. Enfim, hay que blogarse, hemos de blogar. Preciso parar de querer só fazer textos bem elaborados. Afinal, também é agradável ler (e escrever) futilidades. Breves atualizações pessoais: dias 14 e 15 … Sigue leyendo Blogar é preciso, viver não é preciso